Footjob da Rusalka ~AA~

Rusalka: “Você parece uma princesa presa na torre, sabia?”

Antes mesmo que meus olhos pudessem se ajustar à luz, a voz dela inundou meus ouvidos, permitindo que eu soubesse quem era aquela pessoa banhada pela luz.

“Então, eu seria o príncipe? Não combina muito comigo, mas o que acha?”

Ren: “…………”

Eu reconhecia muito bem aquela voz cantarolante.

Ela……

Ren “……Rusalka.”

Rusalka: “Pin-pon!”

“Apesar de que eu não pedi para adivinhar meu nome… Você precisa acompanhar o ritmo da conversa, poxa…”

Ren: “Ku……!”

Rusalka tinha uma pequena estatura, até mesmo para mulheres… Mas comigo forçado a ficar sentado no chão, era de se esperar que ela ficasse me olhando por cima.

Rusalka: “Parece estar sofrendo… Está preocupado? Ser pego nesse tipo de situação já faz você pensar em muitas coisas que não deveria, né?”

“Eu te entendo. Sim, completamente. E então, quanto a questão anterior…”

Ren: “…………”

Ela falou de forma preguiçosa de propósito, enquanto olhava para mim, como se estivesse me paquerando. O que me deixou com um sentimento horrível.

Obviamente não havia como eu ficar otimista nessa situação, sendo um prisioneiro, mas eu compreendia que de todas as situações possíveis, esta era a pior imaginável.

Ela brincou com a situação atual, sobre como se ela fosse um príncipe vindo resgatar a princesa, mas não era nada disso……

Eu só conseguia pensar na aparição dele como sendo minha executora ou torturado. Ela sorria como se estivesse lendo minha mente.

Rusalka: “Ahaha!”

“Ahaha, ahahaha, que olhar mais afiado! Não precisa ser tão cruel assim.”

“Eu também sinto que isso tudo é mesmo uma pena.”

“Honestamente, eu não queria que isso acabasse acontecendo com você.”

Ren: “…………”

Rusalka: “Você não confia mesmo em mim, né?”

Eu permaneci em silêncio e não respondi. Lembro dela ter dito uma vez para nos darmos bem, mas nunca chegou a fazer nada que demonstrasse querer isso.

Eu não sei o que ela está pensando, mas a princípio, sinto que não vai começar com algo ruim. Mesmo sendo completos inimigos agora, eu não estou nem um pouco chocado.

“Bem, é claro, eu sei que você me odeia, e não tem nenhum pouco de amor por mim, mas…”

Como se tentasse manter uma conversa casual, a Rusalka, não… ela não estava preocupada com o que seu tom de voz transmitia.

Eu mantive minha respiração controlada. Como se tivesse jogado um balde de água fria na minha consciência desorientada — eu conseguia sentir que minha mente efervescente estava rapidamente esfriando.

“Oh, isso é bom. Eu gosto desse seu charme de se adaptar rapidamente à diferentes situações.”

Ren: “…………”

Eu não respondi. Diferente dela, não estava nenhum um pouco bem para participar desta afável conversa.

Rusalka: “Poxa, mas isso quer dizer que você não gosta desse seu lado, Ren-kun? Afinal, é tão rápido que deve ser algo normal para você, não?”

“Afinal, você estava pronto para matar a Leon, não estava? É incrível como você levou isso tão a sério! Mesmo que fosse uma piada, não é normal ter uma mentalidade tão impiedoso contra alguém do mesmo país, da mesma idade, e ainda por cima uma colega de classe.”

“Ei, você não concorda?”

Ren: “…………”

Rusalka: “Poxa! Qual o problema de conversa um pouquinho comigo? Sim, eu sei que não está no clima pra isso…”

Eu ignorei tudo o que ela disse. Meu estado mental não tem relação alguma com ela, e muito menos se importa.

“Fuumu… Está sendo durão e me ignorando, né?”

“Mas, sabe, eu também acho essa sua parte muito charmosa, Ren-kun. Brincadeirinha… Kyaaa!

Ren: “……Você é idiota?”

Eu pensei que ela fosse desistir disso se eu ficasse calado, mas mesmo assim essa mulher continuam com suas reações de deboche.

Rusalka: “O quê? Eu pensei que finalmente iria falar algo de verdade… Quanta consideração a sua. Não poderia dizer algo um pouco mais dócil?”

Ren: “…………”

Rusalka: “Eu não me importo com essa sua obstinação, sabia? Mas em horas assim, manter conversas longas pode te ajudar a viver mais.”

“Tome isso como um conselho de alguém mais experiente.”

Experiente?

Eu não faça a menor ideia do que ela está falando, mas a Rusalka continuou a falar, me ignorando completamente.

“Você está tá ponta do precipício aqui, então é melhor que encontre alguma palha para se agarrar desesperadamente, afinal… Conversas são finitas, então vamos valorizá-las.”

“Não tem nada que queira me perguntar?”

Ren: “…………”

É claro que tem. Muitas coisas. Mas estou indeciso se devo entrar no jogo dela dessa forma.

Rusalka: “Pode fazer ao menos uma pergunta agora. Não sei se terá outra oportunidade, mas responderei tudo o que quiser.”

“Vamos, não precisa ser tímido.”

Rusalka ergueu as sobrancelhas, me incitando com um sorriso e um olhar expectativo.

Por isso eu……

Ren: “……Por quê?”

Rusalka: “Hã?”

Ren: “Por que está dizendo isso?”

Não parecia que ela iria responder minhas perguntar. Mais importante ainda, o que ela tem a ganhar com isso?

Rusalka: “O quê? Pretende desperdiçar sua pergunta com uma questão chata dessas?”

Ren: “Pode ser chata para você……mas para mim é muito importante.”

Ao menos na minha condição atual.

“Que lugar é esse?” “Por que eu ainda estou vivo”? — é claro que estou curioso com tudo isso, mas essa é questão mais realista no momento, já que a Rusalka tem controle total da situação. Nada mais importa enquanto eu não entender quais são suas intenções.

Como sobreviver aqui, como escapar da Rusalka……se eu não encontrar uma luz nisso tudo, é certo que não chegarei à lugar algum.

Ou seja……

“Do que você está atrás…?”

Não há nada que eu possa fazer antes de saber isso. Embora eu não espere que ela resposta.

Rusalka: “Hmmm…do que estou atrás, é….?”

Ela fechou os olhos, sacudiu a cabeça e começou a ponderar sobre isto.

E então, ela respondeu de forma direta.

“Não sei.”

Eu fui idiota em pensar que ela responderia a sério.

“Ah, não, eu não estou brincando com você nem nada assim, então não fique tão bravo assim. Na verdade, isso também é um mistério para mim.”

“Bem, sim. No começo eu pensei em vir aqui só para provocar você. “Vou provocá-lo só um pouquinho” foi o que eu estava planejando.”

“Mas agora eu já não sei. Eu sinto que não posso mais simplesmente ignorar os problemas dos outros.”

Ren: “……?”

Rusalka olhou para mim com uma expressão confusa em seu rosto, como se estivesse refletindo. Ao menos não parecia que ela estava planejando me ferir.

O que ela quis dizer quando falou em não poder ignorar os problemas dos outros?

Rusalka: “Sendo sincera, eu iria que simpatizei com você. Meio que senti um tipo de déjà-vu.”

Ren: “Déjà-vu?”

Rusalka: “Sim. Quando você sente que alguma coisa já aconteceu. Ver você assim me faz lembrar de coisas ruins.”

Ren: “…………”

Então ela está dizendo que no passado já esteve em uma situação similar a minha? É mesmo, a Sakurai falou que tinha cinco vezes mais que a nossa idade……

Ren: “Está dizendo que você também já foi capturada?”

Rusalka: “Sim, isso mesmo. Precisamente. Eu não disse? Sou experiente!”

“Quer ouvir mais?”

Eu hesitei em responder por um momento, mas parece que ela assumiu meu silêncio como um sim.

Sem exprimir nenhuma emoção em sua voz, ela rapidamente começou a contar sua história.

“Era o que chamavam de “caça às bruxas”.”

“Bem, quase todas eram falsas acusações feitas por pessoas que se apegavam demais à superstições.”

“Outras eram por inveja e tudo mais. Resumindo, era um sistema onde pessoas que se destacavam por coisas ruins eram excluídas.”

“Se a pessoa que você amasse se apaixonasse por outra pessoa, você simplesmente podia acusar ela de ser uma bruxa, e assim ela sumiria da sua vida para sempre. Se sua vaca produz leite para outra família, então eles certamente estava usando magia.”

“De forma mais extrema, você poderia ser levado a ser julgado como bruxa só pelo fato da sua chaminé começar a exalar fumaça um pouco antes das outras.”

“Não é uma idiotice? Mas assim é o mundo. As massas vulgares sempre lutaram por poder em todos os lugares e períodos, e aqueles com mais poder de influência sempre buscam por bodes expiatórios.”

“Seja com as taxas, guerras, ou até mesmo o tempo. Para desviar a insatisfação das pessoas, alguém sempre é transformado em vilão. Sempre foi assim, e sempre será.”

“E também, isto pode ter sido usado para criar um sistema que tornasse o estupro legal para aqueles que praticam o ascese e são incapazes de encontrar a satisfação agradando a si mesmo.”

“De qualquer forma, eu sinto um pouco de empatia por você ao vê-lo acorrentado porque isso me lembra minhas experiências nesse sistema.”

“Eu me sinto relacionada a você assim.”

Ren: “…………”

Nem um sinal de tristeza era visível no sorriso de Rusalka, mas o gracejo de sempre em sua voz havia enfraquecido.

Caça às bruxas……é claro que eu sei sobre isso. Se ela é mesmo tão velha assim como a Sakurai disse, então ela deve ter nascido quando ela estava em sue auge. Ela estaria dizendo então que se lembrou desses dias que viveu?

Ren: “Então……”

Eu olhei para cima e falei, sem esperanças que funcionasse, mas ao menos poderia ter algum efeito nessa conversa.

“Esqueça isso. Isto não é engraçado.”

Rusalka: “Ehh? Por quê?”

Ren: “Você está aqui porque alguém a deixou escapar, certo?”

Rusalka: “Eu mesma fugi.”

Rusalka deu de ombros enquanto me encarava fixamente

“Mas não me entenda errado. Não é porque sou uma bruxa de boa vontade.”

“Não, para ser mais exata, eu me tornei uma bruxa de verdade justamente por ter sido capturada. Em uma situação parecida, um cara estranho apareceu na minha frente.”

“Ele… como posso explicar? ……Ele se dizia um confessor, mas não consigo mais lembrar como era sua aparência ou sua voz. Às vezes isso quase me faz questionar se não foi tudo uma alucinação minha.”

Ren: “……Então, o que ele era?”

Ela estava pretendendo fazer algo comigo?

“Então você está assumindo o papel de confessor aqui?”

Rusalka: “Providenciando a você algo para se confessar, talvez?”

Como se eu tivesse algo para confessar! Ao menos eu tenho certeza que não tenho nenhum tipo de crime no qual eu seja obrigado a confessar à ela.

“Pelo que eu ouvi, você tentou cortar a cabeça do Lorde Heydrich. Você não bate bem da cabeça, né?”

“Você precisa ser muito maluco para querer brigar na presença dele. Então se você tem algum pecado, deve ser esse.”

“Ei, Ren-kun…”

Eu instintivamente inclinei minha cabeça quando a Rusalka se aproximou de mim de repente; eu posso sentir sua respiração na minha pela enquanto ela fala.

“Como se sentiu na presença dele?”

“Não vai me dizer que você realmente pensou que poderia vencer, vai?”

Ren:“……ghh”

Eu não fui capaz de responder aquilo. No momento estou intuitivamente tentando desviar para não encostar na cabeça dela.

Rusalka: “Agora estou curiosa. Eu acho essa sua parte muito fascinante.”

“Não acho que aja alguma disparidade passível para considerar isso como uma falsa coragem.”

A testa de Rusalka agora encostava contra a minha. Sua sombra sombreava completamente meu rosto.

“Se não me engano, eu já havia dito, não? Sobre como você não tem nenhuma prova.”

“Parte de você acredita que não vai morrer aqui, certo?”

Isto é estranho.

Rusalka estava sorrindo, evitando se mover enquanto pressionava sua cabeça contra a minha.

Então como sua sombra continuava se movendo?

“Então……”

“Mostre-me a fonte de onde vem toda essa confiança. Eu quero saber tudo sobre ela.”

“O que lhe faz forte?”

“Eu também quero isso.”

Ren: “………!”

Eu finalmente entendi de onde aqueles calafrios de antes estavam vindo.

Rusalka estava agradecida.

Como uma planta carnívora que tinha acabado de pegar sua presa.

Rusalka: “Eu não tenho mais muito tempo.”

“Por isso……”

De repente, suas palavras já não eram mais direcionadas a mim.

Mais do que isso, eu conseguia sentir a perversidade de sua respiração me perfurando — minhas palmas estavam suando — o calor passando diretamente para minha cabeça. Uma tóxica doçura fluindo diretamente para dentro de mim……

Eu logo percebi…..o que ela pretendia fazer a seguir.

“Eu mostrarei tudo a você, Ren-kun……

Naquele instante, meu corpo foi consumido por uma viscosidade sombria──

Ren: “……Ghh!”

Frio ── como se eu estivesse afundando em um frígido pântano.

O único motivo pelo qual não gritei foi porque eu estava sendo mantido sob vigilância. As sombras que cobriam todo o meu corpo estavam consumindo meu corpo e minha consciência.

O que é isso?! Meu corpo está afundando. Os bizarros objetos que constringiam meu corpo lentamente me puxavam para um pântano sem fundo em uma floresta.

Interrompendo o fluxo de sangue de sua presa, a impossibilitando de se mover……

Como um morto vivo me puxando para o fundo o fundo de um rio……

Ren: “Ku……kghh……”

Rusalka: “Uhaha…..Ren-kun, você é mesmo muito fofo. Essa sua expressão me deixa ainda mais excitada.”

Rusalka estava sentada enquanto me arrastava para a escuridão, exibindo um elegante e sedutor sorriso.

Um extravagante calor percorria minha espinha toda vez que ela tocava meu corpo, coberto por sombras, com seus pés nus.

Eu estou sendo inspecionado por ela……me examinando enquanto adultera minha própria existência, como um cientista dissecando um rato.

“Me desculpa, não é como se eu quisesse provocá-lo assim. Mas essa é a única forma que eu sei de fazer as coisas.”

“Essa é a única maneira que conheço de aprender sobre os outros.”

“Por isso, não se contenha, e me acerte com todos os seus sentimentos. O suficiente para me matar, tá?”

Ren: “……!”

No momento em que nossos olhares se cruzaram, o corpo da Rusalka estremeceu.

Rusalka: “Ah…esse olhar, incríveeel……”

“Esse seu olhar…seu rosto…é totalmente o meu tipo. Você é incrível, sério……como se tivesse sido feito especialmente para mim.”

Ren: “Kuu……”

Rusalka começou a contorcer seu dedão.

Partículas de luz preencheram minha visão por um curto momento — eu comecei a sentir uma dor afiada por todo o meu corpo — um inquietante e desconhecido sentimento afagando minha alma, me deixando completamente enjoado──

Rusalka: “Sim. Era esse tipo de reação pura que eu queria.”

“Para ser honesta, eu menti sobre o que disse agora pouco. É uma pratica comum divertir e agradar os outros, mas dessa forma, ambos os lados eventualmente se afogam em falsidades. O que quero dizer é que agora nós finalmente podemos ser puros e honestos……”

Ren: “……!”

Eu rangi os dentes e engoli minha voz. Eu fechei meus olhos e tentei focar em outra coisa. Qualquer outra coisa era melhor que isso……

Caso contrário, ela poderia literalmente me dissecar. Eu posso sentir que ela esta devorando o centro da minha existência pelas extremidades……

Rusalka: “Tentando evitar pesando outra coisa, é? Fufufu, deixe-me a-ju-dá-lo.”

Eu fiquei surpreso com a seriedade do tom da Rusalka e acabei abrindo meus olhos.

As ultrajante sombras tremulavam.

Cintilando como chamas artificiais — me cercando completamente.

Como se fossem bestas sentadas à frente de sua presa, apenas esperando.

Rusalka: “Fufu…..Ren-kun, você é mesmo bem maduro. Todas devem estar se coçando para ficar com você. Eu consigo entender de onde vem esse sentimento.”

O que são essa coisas? Criaturas vivas? Ou fazem parte da Rusalka?

“Todas adoram você. Isso me leva às lágrimas.”

Rusalka lambeu seus lábios vermelhos.

A sombra entendeu isso como um sinal que era para me apressar logo.

Ren: “O quê…!”

Uma misteriosa sensação me consumiu por completo.

Parecia que minha pele estava fervendo no momento em que a sombra encostou nela, embora não houvesse calor ou dor — apenas a superfície do meu corpo estava efervescente. As sombras se afundaram profundamente no meu corpo.

Eu não sei como responder a essa desconhecida sensação na qual eu nunca havia sentido. O que meus lábios deixaram escapar foi nada mais do quem som similar ao um pássaros sendo estrangulado.

Rusalka: “Você — eu — vamos todos nos dar bem.”

Desagradáveis pensamentos estavam sendo despejados em mim. Uma negativa mistura de múltiplas convicções. As duas deram as mãos como se sussurrassem para mim que devíamos ser amigos, elas gritavam…

“Consegue dizer? Essas crianças são todas memórias que brincaram com minha Relíquia Sagrada…”

“Não…..talvez também sejam de antes de antes do meu encontro com elas. Todas tendem a sucumbir facilmente à solidão, por isso…”

Elas começaram a se enroscar ao meu redor, mas não doía……

“Elas querem…amigos.”

Ren: “……Aargh”

As sombras enroscadas por todo corpo, começaram a arranhar a carne por de baixo da minha pela

Com meus nervos totalmente expostos, eu fiquei completamente paralisado, mesmo sabendo disso, eu não pude resistir à gritar.

Rusalka: “Fufu……é impossível. Não tem como se segurar. É igual quando o médico bate no seu joelho e você levanta a perna. O mesmo princípio. Mas essa não é a voz que você faz quando quer gritar de dor.”

Ou seja, ela sabia — por experiência própria.

Sussurrando — o rosto da Rusalka estava cada vez mais próximo do meu. Olhando profundamente para mim, acariciando minhas bochechas, bloqueando parcialmente minha visão……

“Por algum motivo……”

“Esse seu lado é exatamente igual a ele……isso é cruel, Ren-kun. Não acredito que está me provocando com essa cara.”

“Fazendo pulsar mais rápido só de tocar em você…por que será? Ou não sei o que é isso… está fazendo eu me sentir estranha.”

“Você ainda é tão imaturo……”

“……São praticamente gêmeos.”

Nesse momento, alguma coisa caiu sobre minha bochecha.

Não era sangue. Não era suor. Era um fluído desconhecido.

E eu pensando que essa mulher não tinha mais uma gota de água dentro dela……

“Desculpa, no fim eu acabei sendo dura com você……”

Do que ela está falando?

“O Lorde Heydrich logo retornará, e meu desejo será concedido.”

“Mas por que será que estou com tanto medo…?”

“Eu preciso fazer algo quanto a isso……”

“Você…”

Afinal, o que ela quer? Assim que meus pensamentos se acalmaram dramaticamente, essa questão surgiu na minha cabeça.

Ela é astuta e nada ingênuo. E provavelmente não estava mentindo sobre esta ser a única forma que ela sabe de tocar os outros.

Mas……

“Há alguém que eu quero muito poder encontrar.”

“Até que isto se realize, eu não posso morrer — eu não quero morrer.”

“É por isso que eu quero acabar com essa misteriosa ansiedade……”

Renihard Heydrich é assustador. Ela queria acreditar que não estava errada em segui-lo.

Por isso, ela queria saber mais sobre a parte de mim que o desafiou, mesmo eu tendo sido trucidado?

Seria verdade?

“É tudo o que eu desejo.”

“Não acredito que eu teria vontade de usar isto a não ser que eu realmente quisesse.”

“Porque eu sou covarde, sabia?”

Rusalka jogou seu corpo por cima do meu.

Não, ou melhor, era como se ela estivesse afundando em mim……

“O que você deseja:”

O que… o que eu desejo?

“Mostre para mim. Ao que você se apega?”

“O que está tentando conseguir?”

“Bem, acho que consigo avinhar…”

Dizendo isso, Rusalka mostrou um mitigado sorriso……

“A nossa vida escolar…não é uma pena que ela acabe tão rápido, não concorda?”

Nesse ritmo, logo minha consciência derreteria.

Escuro……

Completamente escuro.

Onde era cima, onde era baixo — eu não conseguir sequer me orientar ou sentir o peso do meu corpo.

Como se todo o meu corpo tivesse derretido na escuridão.

Como eu pareço agora?

Eu não consigo sentir os limites entre mim e o que está ao meu redor, mas também não sentia como se estivesse flutuando à deriva — simplesmente não conseguia perceber minha própria existência. Eu deveria estar aflito, mas me faltava o necessário para sentir isso.

Nada.

O que aconteceu comigo?

Como isso aconteceu…?

Eu…

Eu…

…………

Ué…?

O que sou eu…?

Anúncios